Slider

Livros

Filmes

Promoções

Novidades

Séries

Games

» » » » » Caminhos da Floresta (Into the Woods, EUA, Reino Unido, Canadá, 2014)


Musicais são controversos. Enquanto alguns amam o gênero, outros odeiam. Eu gosto de alguns e não gosto de outros considerados "clássicos".
Caminhos da Floresta aposta em uma releitura dos contos de fadas interligando um casal de padeiros (Emily Blunt e James Corden) que foi amaldiçoado, uma bruxa (Merryl Streep) que pretende reverter essa maldição, uma Cinderela (Anna Kendrick) indecisa, um lobo (Johnny Depp) lascivo, uma Chapeuzinho Vermelho (Lilla Crawford) egoísta, um João (Daniel Hittlestone) e uma Rapunzel (Mackenzie Mauzy) típicos e príncipes fúteis (Chris Pine e Billy Magnussen).
A narrativa se divide em dois momentos com cores e atmosferas distintas.


Na primeira parte o foco é o que deseja cada personagem, com um tom alegre e divertido mas sem deixar de ser sarcástico e sombrio. Tudo é bem inusitado mas previsível para quem conhece as fábulas dos irmãos Grimm.
Logo na primeira canção a voz de Anna Kendrick me pareceu muito estranha mas felizmente em suas próximas canções ela está melhor.
Os figurinos e os cenários são ótimos e colaboram muito para a imersão do espectador na história.
Merryl Streep e Emily Blunt são os grandes destaques atuando e cantando muito bem e tornam suportável o grande número de canções enfadonhas e irritantes.
Uma pena que Johnny Depp tenha pouco espaço no longa porque sua participação foi incrível e poderia ser melhor e mais aproveitada.


Na segunda parte, depois que a magia acontece os personagens percebem que as coisas não são bem como imaginavam e tudo perde a graça literalmente.
É obvio que intenção foi mostrar como seria a vida dos personagens depois do final feliz, justamente mostrando que não existe um final feliz perfeito. Mas os argumentos usados foram fracos e as relações criadas foram mais improváveis do que as apresentadas na primeira parte.
Como o longa é adaptado de um musical homônimo da Broadway, alguns elementos usados no palco são bem aproveitados. As entradas e saída de cena da bruxa são um exemplo disso.
A direção de Rob Marshall, o mesmo diretor de Chicago (EUA, Alemanha, 2002) também adaptado de um musical de sucesso da Broadway e um dos meus musicais favoritos, deixa bem evidente a sensação que estamos na platéia de um teatro.


Ainda que a parte final seja um golpe duro de realidade nos contos de fadas, a velha moral da história permanece e mostra que os desejos quando alcançados podem não suprir as nossas expectativas e as consequências das ações para realizá-los afetam a todos que estão a nossa volta.

Nota: 3/5.

Enjoy! See you soon!

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

4 comentários:

  1. Oi Eve!!
    Pra variar, sou fã da parte artística.
    Fiquei encantada com os figurinos e a fotografia.
    Não gosto tanto de musicais quanto achei que gostasse.
    Não vi esse filme, mas acho que recentemente musicais tem ficado meio cansativos.
    Adoro Moulin Rouge, mas aquele Mama Mia acaba comigo! hahah
    Merryl tem uma bela voz, fiquei curiosa pra ve-la de bruxa!
    :)
    Beijo grandão!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Eve,
    O filme parece legal. Eu estou com o maridex com problema na coluna, então estou a mais de mês sem ir ao cinema. Se falo que quero ir, ele vai se esforçar para ir e vai piorar.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Evelyne, parabéns pelo seu trabalho falando sobre filmes... Só quem ama mesmo para descrever com riqueza de detalhes e sem sair do contexto das histórias. Mesmo assim dando o toque sutil da opinião.. Realmente me encantei lendo a ponto de querer ver o filme e acredito que deva ser assim em sucessivas postagens. Portanto parabéns!!! E sucesso!!!
    www.blogmarinaveiga.com.br

    ResponderExcluir

Faça a alegria da blogueira que vos escreve: deixe um comentário sobre o post!!!